Dois irmãos: um romance às margens do Negro – Dissertação de mestrado de Ademar Leão

Livros/Teses, Sobre o autor

 
 

Não importa que a tenham demolido: a gente continua morando na velha casa em que nasceu.

 

Mário Quintana (Quem disse que eu me mudei?)

As obras literárias inspiradas nas sugestões do universo amazônico representam, em seu conjunto, um aspecto interessante no panorama da literatura brasileira em função dos traços de originalidade que as circunscrevem. A natureza exuberante e portentosa da região, caracterizada geograficamente pela vastidão incomensurável de seus domínios, suscitou desde sempre o fascínio e a admiração de todos quantos se propuseram a registrá-la discursivamente.

A despeito da diversidade de orientações estético/ideológicas que orientaram seus autores, um elemento de coesão aproxima tais representações, conferindo-lhes, assim, unidade, qual seja: a caracterização enfática do meio geográfico como forma de afirmar/enaltecer valores locais.

Posicionando-se contrariamente a essa postura exótica, porque fundamentada numa perspectiva restritiva da substância narrativa a um espaço determinado, Milton Hatoum elege a Amazônia como cenário da coexistência e do entrecruzamento de línguas, de culturas e de tradições. Habitado por imigrantes, o universo ficcional do autor amazonense destaca-se pela apreensão de um espaço/tempo marcado pela dissolução e pela ruptura, elementos que avultam como horizonte privilegiado em sua obra.

Indelevelmente marcado pelo signo da exclusão, o narrador de Dois irmãos percorre o itinerário afetivo que o conduz ao passado no qual, supostamente, esconde-se a identidade paterna, uma ambigüidade jamais desfeita na fatura narrativa.  

 

Dissertação de Mestrado – Programa de Pós-Graduação em Letras

Universidade Federal de Santa Maria

 

 

 

Para ler o texto completo, clique em http://www.miltonhatoum.com.br/wp-content/uploads/2010/11/UNIVERSIDADE-FEDERAL-DE-SANTA-MARIA_ademarleão.pdf

Deixe seu comentário...