Exílio e Memória na narrativa de Milton Hatoum, de Noemi Campos Freitas Vieira

Livros/Teses, Sobre o autor

 
A obra de Milton Hatoum, escritor amazonense de ascendência libanesa, caracteriza-se pela recorrente busca identitária de seus narradores que procuram explicações sobre suas origens. Em trabalho da memória, que tem como força motriz o esquecimento, transitando entre dois mundos que se mesclam e que se dão a conhecer, no texto, por meio das experiências dos personagens. Esses mundos que se interpenetram, o manauara e o do imigrante, inscrevem um “certo oriente” no ambiente amazônico traçando a história da família libanesa radicada na Manaus imaginária de Hatoum. A trajetória sinuosa da memória percorrida pelos respectivos narradores manauaras, filhos agregados desses imigrantes, procura reestruturar o passado por meio dos relatos das personagens, cujas vozes são emolduradas nas vozes dos narradores. Em face da indeterminação dessas identidades perseguidas, esses sujeitos encontram-se à deriva,  experimentando um sentimento de alienação e de exílio interior. Para o estudo dessa trajetória dos narradores na busca identitária, articulam-se os conceitos sobre a memória (H. Bergson; W. Benjamin); o  esquecimento (H. Weinrich); a melancolia (Freud); o dialogismo (M Bakhtin); a estrangeiridade (J. Kristeva); o exílio (H. Bhabha; E. Said).

 

http://www.miltonhatoum.com.br/wp-content/uploads/2010/10/dissertação_NoemiCamposFreitasVieira.pdf

UNESP/2007

Deixe seu comentário...